29/09/2009

É palha, senhor... é palha!


Depois da campanha eleitoral das eleições legislativas ter sido marcada por sucessivos escândalos de corrupção e compadrio dos políticos portugueses, eis que surge mais um caso no início da campanha para as autárquicas. Mais concretamente nas primeiras 24 horas!

"O número 3 da lista do CDS-PP, partido do Dr. Paulo Portas, candidata à Câmara Municipal de Moura foi constituido arguido por ter sido apanhado a furtar palha de uma herdade. O candidato em causa foi detido pela GNR quando, juntamente com outros dois indivíduos, se encontravam a carregar fardos de palha de uma herdade localizada na periferia de Moura.

De acordo com a GNR, o caso ocorreu por volta das 18h30 da sexta-feira passada, quando uma patrulha em missão de serviço detectou três indivíduos a carregar fardos de palha. Segundo a declaração de uma fonte da GNR  " ...já tinham diversos fardos carregados numa carrinha quando foram interceptados. Surgiu a suspeita de que poderia tratar-se de um furto, e depois, o proprietário da herdade acabou por formalizar a queixa, levando-nos à detenção dos três indivíduos.".

A cabeça de lista e presidente da distrital de Beja do CDS-PP, confirmaria o envolvimento do referido elemento no furto.  Na confrontação com a imprensa local declararia que " A minha decisão é simples. Somos democratas-cristãos e está explicito na Bíblia que quem nunca pecou que atire a primeira pedra. Não é por meia dúzia de fardos de palha velhos que vamos tirar a pessoa em causa da lista candidata à Câmara Municipal. Cabe à justiça e a Deus julgarem o acto. Não estou a desculpablizar a pessoa. No entanto, já o chamei à razão, e já lhe disse que quando se quer criar outro estilo de vida temos de começar a mudar! Lamento profundamento o aproveitamento político do caso e não percebo como é que três ou quatro fardos de palha equivalem a casos como o BPN, o BPP ou o Freeport", concluiu! 

Após a formalização da queixa pelo proprietário da herdade, o suposto arguido ficou a aguardar em liberdade o desenrolar do processo."

Depois desta história que mais se poderá dizer quando o hábito de roubar está tão enraizado nos polítcos portugueses. Já não chegam as histórias de corrupção na compra dos submarinos ou do caso Freeport ainda temos de os aturar a roubar fardos de palha?... Ainda por cima velhos?... TENHAM DÓ, MEUS SENHORES, TENHAM DÓ!

"O PAÍS ENDOIDOU DE VEZ!"

VOLTA ALBERTO JOÃO JARDIM... TÁS PERDOADO!

Artur Mesquita

14/09/2009

A genialidade de Edgar Cardoso

Edgar António de Mesquita Cardoso nasceu no Porto a 11 de Maio de 1913, no 1º piso do nº 245 da Rua Pinto Bessa (Bonfim). A sua formação em Engenharia Civil, concluida em 1937, foi realizada na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).

Ainda a frequentar a FEUP, realiza o seu primeiro estágio, sob a orientação do Engº Gervásio Leite,  destinado a estudar o assoreamento do Porto de Leixões. O estudo então apresentado era ilustrado com desenhos à mão livre de muito boa qualidade. Do seu conteúdo fazia parte uma introdução deveras reveladora da sua personalidade e
impensável nos nossos dias:

"Segundo instruções da nossa Faculdade de Engenharia a que pertenço como modesto aluno e vós Meus Mestres, como Professores altamente categorizados, recebi com agrado no dia 5 de Agosto a guia de apresentação para na Administração dos Portos do Douro e Leixões efectuar o meu primeiro estágio. Sem a experiência e o saber tão precisos ao Engenheiro, iniciei nesse mesmo dia o meu primeiro trabalho que apesar da atenção e da boa vontade, sempre aplicada para a sua perfeita execução, terá fatalmente que ser defeituoso. Peço portanto aos meus Exmos Professores que me revelem os erros cometidos, na certeza, porém, que a sua existência não é resultante da falta de assiduidade, nem da minha menos curiosidade de saber, mas antes da inexperiência e limitados conhecimentos do assunto que me foi dado estudar. Leixões, Outubro de 1935.".


A beleza da arquitectura aliada às soluções de engenharia da Ponte da Arrábida sobre o Rio Douro (Porto)

A Ponte da Arrabádia, porventura o seu projecto mais emblemático, foi construída entre 1957 e 1963. Destinada a vencer um vão de 270m entre as duas margens do rio Douro, foi executada por intermédio de um tabuleiro suportado por dois arcos gémeos ocos em betão armado com 8m de largura cada, com uma flecha de 52m, contraventados longitudinal e transversalmente. No dia da inauguração, acto presidido pelo Almirante Américo Tomáz, reuniram-se nas margens do Douro numerosos jornalistas dos mais diversos países para assistir ao retirar do cimbre do arco da ponte e, supostamente, à queda daquele que na época seria conhecido como o maior arco do mundo em betão armado. Arco esse que ainda se mantém intacto 46 anos depois!



Ponte de Mosteirô sobre o Rio Douro

Após o 25 de Abril de 1974, seria saneado do Instituto Superio Técnico (IST), onde era docente, por ter projectado a Ponte da Arrábida para o anterior regime fascista. Readmitido posteriormente a 1979, continuaria a leccionar até à sua aposentação. Na altura da sua reintegração no IST foi ressarcido das remunerações devidas no valor de um milhão de escudos, dinheiro que doou ao Estado para actividades de interesse nacional. O governo de então usaria esta verba para instituir a Fundação Edgar Cardoso com o intuito de conceber bolsas de estudo a alunos e doutorados do IST e atribuir prémios a trabalhos de investigação ou projectos de engenharia na área de Pontes e Estruturas Especiais.


Projecto de uma obra nunca relizadada: o alargamento do tabuleiro da Ponte D. Luis (Porto)

A construção dos modelos das suas estruturas através de um extraordinário engenho e de uma fantástica habilidade manual e as medições dos parâmetros necessários à avaliação estrutural através de aparelhos inventados por si, contribuiram para a sua singularidade profissional por intermédio dos métodos sui generis de resolver as questões. Esta era considerada uma das suas facetas mais características. Para ele, as estruturas projectavam-se usando as mãos, experimentando, ensaiando diversas formas em modelo. E desdenhava dos grandes rivais, os computadores, e da análise matricial afirmando: "Dizem que há por aí quem use umas meretrizes...".



Projecto de uma ponte ferroviária para o Porto, que nunca foi construida, utilizando o cimbre da Ponte da Arrábida

As histórias da sua vida profissional, sempre vincadas pela sua forte personalidade, contam-se hoje como deliciosos momentos de confraternização com os engenheiros mais novos. Certo dia, depois de uma visita às obras da ponte de S. João, um colega teve a sorte de almoçar ao seu lado. Às tantas perguntou-lhe: " - Como é que você media as deformações que uma ponte vai sofrendo sem sair de cima dela?"
Vendo a sua atrapalhação na resolução da questão, pega num guardanapo de papel, e explica: " - Você deita uma pedra ao rio com um fio de ínvar amarrado (ínvar é uma liga com um coeficiente de dilatação linear quase nulo. As medidas fazem-se portanto sem influência da variação da temperatura, ou seja, menos uma variante no sistema!). " - Mantém o fio esticado com uma mola que pode estar presa à própria ponte e mede agora o deslocamento relativo entre a extremidade do fio e uma marca na ponte." E continuou: " - E por falar em ínvar, você sabe como eu faço ínvar? Pois com dois fios de coeficientes de dilatação linear diferente amarrados a uma pequena travessa. É assim possível determinar um ponto no prolongamento da travessa que não sofre qualquer movimento em presença da variação de temperatura.".



Construção da Ponte de Santa Clara sobre o Rio Mondego, em Coimbra (a montante, a ponte existente à data da construção da nova ponte)

Verdadeiramente genial como engenheiro, o seu feitio de difícil trato trouxe-lhe algumas inimizades, sobretudo entre colegas cujas opiniões nem sempre eram bem aceites. Ciente da sua indiscutível sapiência, facilmente se envolvia em polémicas que ultrapassavam o limite da razoabilidade. Numa reunião de obra durante a construção da Ponte da Figueira da Foz, hoje Ponte Engenheiro Edgar Cardoso, um jovem engenheiro terá sugerido uma qualquer alteração a uma indicação do Professor. A sua resposta foi demolidora: " - Ó meu amigo! Em Portugal só há uma pessoa de quem aceito sugestões: O Prof. Joaquim Sarmento da FEUP!"

Apesar da sua idade avançada e da sua competência, nem sempre foi devidamente tratado pelos orgãos de comunicação social em Portugal. O carrocel mediático bateu-lhe à porta por diversas vezes de tal forma que não teve qualquer tipo de ressentimento em demonstrar o seu desprezo por alguns jornalistas ávidos de sensacionalismo. Uma dessas vezes aconteceu durante uma peritagem à pala do Estádio José de Alvalade. Corria o boato (não é possível chamar-lhe outra coisa) lançado por um iluminado (ou iluminados) que, supostamente, a pala encontrar-se-ia em risco de colapso devido à degradação da sua estrutura. Depois de uma atenta análise à mesma, o Professor não teve qualquer tipo de problema em colocar-se na sua face superior afirmando que "quem firmou que a pala iria cair devia pensar duas vezes porque era bem provável que essa pessoa (ou pessoas) poderiam morrer de velhice antes da ocorrência desse acontecimento!".

Outra história que as televisões exploraram até ao limite do razoável reporta-se à altura da construção da Ponte de S. João, no Porto, obra com alguns problemas relativamente à decisão política da sua construção. Na sua elevada complexidade técnica podemos encontrar o motivo para o derrapamento financeiro do projecto e para os adiamentos da sua conclusão. Conforme na altura foi descrito pelo Engenheiro Edgar Cardoso, a dissipação dos esforços transmitidos à estrutura das composições ferroviárias circulantes condicionava fortemente a forma dos pilares de suporte do tabuleiro. Assim, o Professor com base na sua experiência "esculpiu" a forma dos pilares em cenouras antes de se proceder ao seu cálculo estrutural. Este pormenor delicioso aliado à sua idade avançada e aos sucessivos adiamentos do fim da construção (na altura comentava-se que se o Engenheiro porventura morresse seria extremamente difícil, devido aos seus métodos de cálculo, encontrar um técnico capaz de prosseguir os cálculos estruturais da ponte de forma a finalizar a sua construção), seria ´"perseguido" pelos jornalistas de tal forma que numa dessas vezes diria para um canal de televisão "agora não me chateiem mais que vou mijar!".
E ela aí está em toda a sua exuberante elegância.



A elegância da Ponte de S. João (Porto)

Da sua obra salientam-se as suas poéticas e distintas pontes, esculturas de uma vida ligada à arte de projectar, inovadoras e imponentes. Os seus projectos, fruto da sua impressionante capacidade inventiva e intuitiva, colocaram-no como um dos maiores divulgadores do betão armado e pré-esforçado no mundo. Em 1990, o seu curriculum referia cerca de 500 estudos e projectos de pontes e estruturas especiais (pontes, pontes-cais, aeroportos sobre o mar, consolidação de muros de suporte...).
Com o seu falecimento a 5 de Julho de 2000, assistimos ao desaparecimento de um dos maiores génios da história da engenharia civil nacional e internacional. De um homem que vivia a engenharia como o seu desígnio de vida. Com uma curosidade sem limites!

Para quando o devido reconhecimento do Engenheiro e do Homem no nosso país?

E, tal como ele tantas vezes afirmava, "O engenheiro não é o técnico que sabe tudo... é o homem que tem engenho!"

Artur Mesquita

Fontes consultadas
"Edgar Cardoso, engenheiro civil", Luis Lousada Soares, FEUP, Edição 2004
"Manuel de Azeredo, Porto, http://paginas.fe.up.pt/ "
"Antigos Estudantes Ilustres da Universidade do Porto, http://sigarra.up.pt/ "

09/09/2009

Quem é Nuno Crato

Já lá vão bastantes anos (desde 1996) que comecei a ler no semanário "Expresso" uma coluna com o nome de "Passeio Aleatório". Do "Expresso" já me cansei mas desses artigos não. Deixei de ler o jornal mas continuo a seguir com prazer o "Passeio Aleatório" pela net.

O seu autor é o Nuno Crato, presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática. Desenganem-se os mais pessimistas se começam já a pensar que "era só o que me faltava... andar a ler coisas de matemática na net! Sabe Deus como consegui fazer as análises matemáticas na universidade...".

Para não começar a desfiar aqui as competências académicas, nacionais e internacionais, do homem devo dizer-vos que ele é um grande defensor, senão o único, do ensino da matemática no nosso país. Se tiverem oportunidade leiam alguns dos seus livros para pensarem, tal como eu, "porque é que eu não tive um professor destes?". Ele vai aonde a matemática nos leva, ou seja, a todo o lado - à física quântica, à astronomia, às coisas do nosso quotidiano...

Aqui ficam algumas das suas publicações: "Eduquês em Discurso Directo: uma crítica da pedagogia romântica e construtiva" (Gradiva, 2006), "Desastre no Ensino da Matemática: como recuperar o tempo perdido" (SPM/Gradiva, 2006), "Matemática das coisas" (SPM/Gradiva, 2008), "Constelações e mitos" (Gradiva, 2001)...

Na net poderão encontrar as crónicas semanais do "Passeio Aleatório" em http://clix.expresso.pt/nuno_crato=s24976 ... e vão ver que vão gostar.

Artur Mesquita

28/08/2009

Vinha biológica no Vale da Vilariça

A Symington Family Estates é produtora de Vinho do Porto e Douro DOC nas 25 propriedades que possui na região demarcada do Douro. São cerca de 2000 hectares de propriedades e 900 hectares de vinha. Mais de 95% do negócio da empresa é centrado na exportação para 120 mercados internacionais. Depois do sucesso alçançado nos Estados Unidos da América, a empresa pretende estender a sua área de negócio aos países de leste, mais concretamente à Rússia e à Polónia.

Apesar dos mais de 350 anos de actividade na produção de Vinho do Porto e das 13 gerações da família envolvidas, a Symington pretende inovar e desenvolver nichos de mercado adaptados à nova realidade mundial, nomeadamente com preocupações ambientais. A empresa tem vindo a aumentar a área de vinha biológica na região duriense que se situa já em 150 hectares. Actualmente, é considerada a maior área de vinha biológica plantada no nosso país. Está localizada no Vale da Vilariça, perto de Torre de Moncorvo.

O clima do Vale da Vilariça, situada nas margens do rio Sabor, e a sua orografia plana, solo profundo e clima seco e quente, revelaram-se importantes para o desenvolvimento da viticultura biológica nesta zona do interior transmontano. A área de vinha biológica devide-se por 3 quintas todas elas com castas tintas: a Quinta do Ataíde (100 hectares), a Quinta de Assares ( 30 hectares) e a Quinta da Canada (20 hectares). A responsabilidade técnica está a cargo do Engº Alexandre Mariz, natural de Carrazeda de Ansiães.

O "Altano Organic Farming Douro tinto 2007" agora lançado revela um vinho que conseguiu ganhar a aposta neste tipo de prática cultural. A partir da vindima de 2010 toda a área terá completado os 5 anos de certificação e poderá iniciar-se a produção em grande quantidade de uvas biológicas. Esta opção vem assim desmistificar, de alguma forma, o facto de alguns operadores pensarem que este tipo de agricultura só poder ser possível em áreas pequenas, em locais isolados...
Artur Mesquita

27/08/2009

Ouro para Portugal

O aumento qualitativo dos vinhos portugueses começa a dar os seus frutos fora do nosso país. Será que os empresários do sector acordaram finalmente para a realidade mundial da produção e distribuição de vinho? Esperemos que assim seja! A quantidade de vinhos de considerável qualidade a preços razoáveis à venda em Portugal nunca foi tão alargada para a escolha do consumidor. Crise no sector ou realismo dos produtores?


No International Wine Challenge deste ano, provavelmente o mais conceituado concurso de vinhos do mundo, Portugal conseguiu um total de 345 medalhas que premiaram outros tantos vinhos. Depois das 30 medalhas de ouro conseguidas em 2008, este ano conseguimos atingir as 33 distribuidas pelos vinhos tintos (12), vinhos generosos (18) e vinhos brancos (3). Em termos mundiais, Portugal só ficou atrás da França (com 47 medalhas de ouro, incluindo 17 de champanhe), da Austrália (41) e da Itália (34). A seguir aos nossos vinhos classificaram-se o Chile (com 21 medalhas de ouro), a Nova Zelândia (19) e a Espanha (14).


Apesar da maioria das medalhas de ouro terem sido destinadas aos Vinhos do Porto, merecem destaque as 3 medalhas atribuidas aos vinhos brancos lusos, incluindo uma para o "Marquês dos Vales Primeira Selecção 2008", o primeiro produtor do Algarve a alcançar esta distinção. Os outros dois vinhos brancos galardoados foram o "Muros Antigos Alvarinho 2007" da região dos Vinhos Verdes e o "Quinta dos Carvalhais Encruzado 2007" da região do Dão. Nos vinhos tintos destacaram-se, entre outros, o "Quinta do Infantado Douro 2007", "Quinta Vale D. Maria Douro 2006", "Quinta da Garrida Dão 2006" e o "Herdade do Peso Alentejo Reserva 2005". Neste concurso, os vinhos portugueses conseguiram ainda 77 medalhas de prata, 123 medalhas de bronze e 130 menções honrosas.


Os vinhos presentes foram julgados por um conjunto de 370 enólogos, pessoas ligadas ao ramo e críticos de vinho. Entre estes estiveram os portugueses Rui reguinga, Charles Symington, António Maçanita e Rui Madeira. Numa escala classificativa de 0 a 100 pontos, para se conseguir uma medalha de ouro, os vinhos devem atingir uma pontuação entre 95 e 100 pontos, de prata entre 90 e 94 pontos e de bronze entre 85 e 90 pontos. A menção honrosa destina-se a vinhos classificados de 80 a 84 pontos.


Artur Mesquita

Revisitar Trás-os-Montes

Da majestosa localização do Penedo Durão, perto de Freixo-de-Espada-à-Cinta, pode-se contemplar esta fantástica e imensa paisagem.

O rio Douro que divide e aproxima as duas margens. Na margem oposta as terras espanholas e a barragem de Freixo-de-Espada-à-Cinta (antiga fronteira guardada por portugueses e espanhóis).



O rio Huebra (Espanha) a desaguar calmamente no Douro.



26/08/2009

O gosto na prova de vinhos




Olhos e nariz abrem o caminho à prova de boca, onde o gosto "mede" verdadeiramente o que temos dentro do copo. "Bom" ou "mau" tudo dependerá do conhecimento, da cultura e dos critérios de escolha de cada um de nós. Mas o gosto também se educa...

O que é o GOSTO?
É o estímulo emitido por moléculas e iões presentes nas inúmeras soluções que ingerimos e recebido pelas papilas gustativas localizadas na cavidade bucofaríngea. Se quisermos ser rigorosos esta é talvez a parte mais complexa de toda a prova. Mas se, pelo contrário, quisermos ser práticos e superficiais, bastará muito simplesmente tentar sentir o quanto diferente é o vinho em prova, da água. Não servirá para escrever uma nota de prova mas ajudar-nos-á a sentir e a comunicar com o vinho. Para quem quer ir um pouco mais longe podemos falar de várias particularidades do sentido do gosto e também dos 4 sabores básicos.

  • DUAS LEIS BÁSICAS - Na prova de boca podemos sentir os aromas de boca (através do canal retronasal), os 4 gostos básicos e as sensações tácteis de temperatura. Na prova de boca avaliamos também o equilíbrio gustativo do vinho em causa assim como a sua qualidade geral, complexidade e nos melhores casos, o tipo de carácter que oferece à prova. Duas leis básicas influem fortemente neste momento de prova: a prática da prova desenvolve a percepção do gosto enquanto que rotinas e hábitos rígidos tendem a diminui-la. No primeiro caso devemos entender igualmente que esta prática deve ser a mais diversificada possível, enquanto que no segundo os exemplos de uma pessoa que se habitua ao sabor amargo do café e deixa de lhe deitar açúcar, ou de outra habituada a comer comida sem sal e que será muito sensível a este gosto ou ainda para um guloso para quem os doces podem tornar-se um vício pois que nunca são suficientes, explicam os riscos, em termos de flexibilidade do gosto, das rotinas alimentares.

  • AS BOCAS SÃO TODAS DIFERENTES - O que é que provamos? Provamos misturas de saliva com um determinado produto. A introdução de comida na boca, ou apenas a sugestão desse estímulo leva a um acréscimo da actividade glandular que logo enriquece a boca com saliva cheia de sucos digestivos e respectivas enzimas. Assim sendo, nós provamos sempre não apenas o vinho mas sim uma mistura de vinho com saliva. Como a composição da saliva é diferente entre os seres humanos, particularmente no que se refere à percepção da acidez (pH da saliva e sua ligação vinho/saliva) e da adstringência (relação das proteínas salivares com o tanino do vinho), é de aceitar que todos nós provamos de um modo próprio. Devemos também aceitar que o limiar de percepção varia conforme o indivíduo, existindo mesmo algumas pessoas que sofrem de agustia (perda total do gosto) ou hipogustia (perda parcial do gosto). A hipogustia é mais comum e aceita-se que cerca de metade da população possa sofrer desta alteração. Pessoas que gostam mais de vinagre são pouco sensíveis ao gosto ácido ou pessoas que abusam do sal são pouco sensíveis ao gosto salgado, etc.
  • OS 4 SABORES - Além das percepções tácteis e de temperatura, a boca permite a percepção de 4 gostos ou sabores: doce, salgado, ácido e amargo. Toda a superfície da língua possui receptores de estímulos gustativos mas a sua sensibilidade aos gostos é bastante diferente. Por sistematização da técnica de prova aceita-se que o gosto doce se sente na parte anterior da língua ( sensivelmentejunto à ponta da língua), o salgado nas duas pequenas áreas anteriores laterais, o ácido nas partes laterais e o amargo na zona central posterior. Mas, na verdade não é bem assim. Todas estas áreas misturam-se e sobrepõem-se umas às outras. O sabor DOCE em quantidades muito variáveis consoante o tipo de vinho, chega-nos através dos açúcares (glucose e frutose) e dos álcoois (etanol, glicerol, butileno glicol...).
    O ÁCIDO vem de vários ácidos presentes no vinho: tartárico (gosto duro), málico (verde), cítrico (fresco), sucínico (amargo e salgado), láctico (azedo) e acético ( acre).
    O sabor SALGADO vem dos saIs minerais e orgânicos (2 a 4 gr/l).
    O gosto AMARGO é da responsabilidade dos compostos fenólicos (taninos e antocianas), presentes nos vinhos tintos entre 1 e 4 gr/l, e nos brancos nalgumas dezenas de miligramas por litro. Quando um vinho rico em taninos provoca adstringência na boca não é mais que a coagulação das proteínas salivares em contacto com o tanino do vinho.

  • DIFERENTES FUNÇÕES - Cada sabor básico tem funções próprias nas sensações e equilibrio de prova que transmitem.
    O DOCE dá a sensação de corpo, volume e, quando em excesso, de peso. Para muitas pessoas é realmente o único sabor que interessa. Modera e equilibra a acidez, a adstringência e o amargo, que por sua vez lhe moderam a intensidade.
    O ÁCIDO dá forma e realça a fruta, torna os vinhos mais leves e vivos. Nos vinhos brancos responde pela estrutura e longevidade. Acidez excessiva tende a diminuir a produção de saliva e uma acidez equilibrada tende a estimulá-la.
    O sabor SALGADO não é preceptível na maioria dos vinhos mas contribui para o seu equilíbrio e funciona como um intensificador de qualquer um dos outros sabores.
    O sabor AMARGO depende do tipo e grau de maturação dos taninos. Faz parte da vinosidade e da estrutura dos vinhos tintos e a sua qualidade é indispensável num bom vinho.

OS SABORES BÁSICOS DA PROVA - Aos 4 sabores básicos estão normalmente associados diversos termos na prova de vinhos.

DOCE - muito doce, enjoativo, pesado, monótono, meloso, maduro, axaropado, doce, meio doce, meio seco, seco...

AMARGO - Verde, vegetal, herbáceo, acre, acerbo, austero...

ÁCIDO - Acídulo, mordente, picante, azedo, plano, frouxo, brando, moderado, suave, nervoso, vivo, viçoso, fresco...

SALGADO - sais, salgado, iodado...

BOAS PROVAS!

João Afonso in RV, adapt. Artur Mesquita

29/06/2009

Acabaram os vinhos "Terras do Sado"

A Indicação Geográfica (IG) "Terras do Sado", utilizada para os vinhos da região de Setúbal, vai ser alterada para "Península de Setúbal". Esta alteração irá abranger os vinhos de todos os concelhos do distrito de Setúbal.
Todas as especificações técnicas e geográficas podem ser consultadas na Portaria nº 695/2009, de 29 de Junho.

Artur Mesquita

24/04/2009

Acabaram os vinhos da Estremadura

Saiu ontem em Diário da República (http://dre.pt/pdf1sdip/2009/04/07900/0241602420.pdf) a nova região com Indicação Geográfica (IG) "Lisboa" para a produção de vinhos que englobará as sub-regiões da Estremadura e da Alta-Estremadura. Assim, a IG "Estremadura" vai deixar de existir como IG e todos os vinhos que sejam produzidos nestas duas áreas geográficas e que obedeçam aos critérios legalmente instituidos passarão a designar-se como provenientes da IG Lisboa. Os vinhos que vierem a beneficiar da IG Lisboa serão produzidos desde Pombal, no extremo norte, até Cascais/Oeiras, no extremo sul.

Identicamente a outras regiões, foi criada a Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa à qual compete o controlo da produção , o comércio e a certificação dos vinhos IG Lisboa.

Artrur Mesquita

15/04/2009

Mateus Rosé

Nos anos 40 do século passado, o Sr. Fernando Van Zeller (pai) pretendia criar uma imagem para o seu vinho rosé. Para esse efeito, recorreu a um grande amigo seu que tinha um majestoso palácio na zona de Vila Real. Nesse entendimento propôs-lhe a cedência dos direitos de imagem a troco de um pagamento financeiro executado de uma só vez. Assim, o seu amigo cedeu-lhe os direitos de imagem sobre o Palácio de Mateus encontrando-se esse contrato vigente até aos nossos dias. Actualmente, jão são os descendentes dos originais contratantes que se sentam à mesa para falar sobre esse contrato. Isto demonstra bem como tem sido longa a vida da marca "Mateus Rosé" celebrizada no vinho de mesa rosé, com a sua tradicional garrafa, com mais de 60 anos e milhões de garrafas vendidas nos mercados internacionais.

Pouco depois da introdução do rosé nos mercados da Europa e dos E.U.A., a família Guedes apercebeu-se que o seu vinho, além de ser um enorme sucesso de vendas, possuía uma aptidão especial para acompanhar a comida chinesa e asiática que começava a fazer furor a partir de 1970 na Europa e no mundo ocidental. Foi mais uma razão para o Mateus Rosé ser o grande campeão de vendas dos vinhos portugueses no estrangeiro.

E o que pensam os portugueses do Mateus Rosé?
Pensam que nem sequer é digno da palavra "vinho". "Vinho só se for tinto!..."
Enquanto sucesso de vendas estrondoso lá fora é ignorado cá dentro, dando razão às nossas características como povo - o que é nosso é desprezado em detrimento do que recebemos dos outros países. O nosso bipolarismo permite-nos pensar que hoje temos os melhores vinhos do mundo e na hora seguinte invertemos esta tendência. Infelizmente na nossa história encontram-se demasiados casos similares.

O Mateus Rosé não só é um caso sério de sucesso internacional de vendas como, através da sua popularidade, tem sido um trampolim para a introdução e a divulgação dos vinhos portugueses e da palavra "Portugal" no mundo inteiro. As milhões de garrafas vendidas todos os anos podem atestar isso. Está na altura de mudarmos e de começarmos a dizer que o que é nosso é mesmo bom!

Artur Mesquita

Vinho do Sr. Martell

Durante os anos do último quartel do século XIX, a filoxera (doença originária dos E.U.A. que ataca as videiras acabando por dizimá-las) atacou e matou praticamente todas as vinhas de Portugal, depois de ter acontecido o mesmo nos restantes países europeus. Sem vinhas faltou ao povo o vinho e, sobretudo, faltaram as enormes quantidades de vinho de baixa qualidade que tradicionalmente era destilado para aguardente e para bagaço.

Estes produtos eram consumidos em grandes quantidades, quer aqui na metrópole, quer no ultramar português de então. Seguiram-se várias crises vinhateiras responsáveis pela queda de governos, tanto na monarquia como já na república.

Chamaram-se técnicos de vários países e de França veio o Sr Martell que conseguiu replantar muitas das vinhas do Ribatejo e da Estremadura pondo-as a dar frutos. Graças às enxertias que utilizava, as videiras sobreviveram e o vinho começou a ser feito novamente. De tal forma foi que o aumento da produção de vinho que o povo começou a falar em "vinho feitos à Martell". Daí à expressão ainda hoje utilizada de "vinho a martelo" foi um pequeno salto. De salientar que a conotação negativa que esta frase tem hoje (vinho feito por meios ilícitos) não tem comparação com a época da estada do Sr. Martell em Portugal.

Artur Mesquita (Fonte:IVDP)

O vinho e as mulheres

As mulheres são mais sensíveis do que os homens ao ingerirem a mesma quantidade de álcool. A taxa de álcool no sangue é sempre superior à dos homens.
O corpo masculino contém cerca de 70% de líquidos ao contrário das mulheres que só atinge os 65%. Uma mulher e um homem com o mesmo peso que bebam o mesmo volume de álcool são afectados de forma diferente. Esse volume de álcool dilui-se mais nos homens porque têm mais água no seu organismo. Por outro lado, o homem costuma ser mais pesado do que a mulher. Esse facto aumenta o volume de proporção do líquido no seu corpo. Eis a justificação para as figuras que as mulheres costumam fazer quando bebem uns copos!

Claro que existem algumas excepções...

Artur Mesquita

O vinho "leve"

Há marcas e produtos que são dignos de nota pelo enorme sucesso que conseguiram obter no mercado. Uma delas é o vinho do Douro "Evel".

Há muitos anos atrás, quando esta marca foi criada, procurava-se um vinho fácil de beber, mais atractivo para os paladares de quem conhecia a região do Douro (antigamente os vinhos não tinham a qualidade dos nossos dias...). Em suma, pretendia-se encontrar um vinho leve que fosse agradável de beber.

Quando finalmente os enólogos chegaram a um lote que era satisfatório foi necessário criar uma marca para comercializar esse vinho. Então alguém se lembrou de registar a palavra "leve" ao contrário. Em markting, esta decisão foi importante: "Evel" é uma palavra fácil de pronunciar e de recordar!

Artur Mesquita (Fonte: IVDP)

Fraudes do Vinho Fino (Vinho do Porto)

O Vinho do Porto é vitima de imitações e fraudes em todo o mundo. Austrália, Moldávia, Polónia, Bélgica... E até Brasil e Espanha!...
Ao comprar uma garrafa de Vinho Fino (esta é a verdadeira designação na região onde ele é produzido) analise atentamente o que tem pretensões de comprar.
Poderão ver as imitações em
http://www.ivp.pt/pagina.asp?codPag=96&codSeccao=6&idioma=0

Artur Mesquita

09/04/2009

Monóptero de São Gonçalo

Na semana passada, fui tentado por um amigo a encontrar um monumento totalmente diferente de tudo o resto que tive oportunidade de ver até hoje: o Monóptero de S. Gonçalo.
A estranheza do local e a beleza do monumento contribuiram para aumentar a minha curiosidade sobre a origem de tão bela construção. Deambular pelo planalto mirandês e, de repente, no meio do monte dar de caras com esta construção foi uma experiência rara e inesquecível.

Depois de algumas pesquisa, consegui saber que é um monumento em vias de classificação (com despacho de abertura de 31 de Agosto de 1993). Em vias de classificação desde 1993? Devem estar a brincar comigo! Claro, está localizado em Trás-os-Montes, muito longe da capital e por isso totalmente esquecido. Que País é este que não cuida da sua história? Por onde andam os senhores do IPPAR?

A informação que pude reunir e que pretendo divulgar é que se encontra localizado no interior da Quinta Nova (Quinta da Nogueira, para alguns), a poucos quilómetros de Mogadouro. O acesso faz-se por um caminho de terra batida com acesso condicionado a um 4X4, saindo de Mogadouro em direcção de Penas Róias. Segundo alguns entendidos, este é um monumento único na Península Ibérica, dentro do seu género. Um exemplar barroco de grande raridade. Foi erguido pelos Távoras, outrora senhores de grande parte da região, em homenagem a S. Gonçalo, patrono dos caçadores.

A sua construção, realizada em granito (com excepção da sua cúpula), é de planta circular assente sobre quatro degraus circulares. Sobre estes degraus erguem-se 6 paralelipípedos onde nascem 6 colunas com cerca de 1,90m de altura, encimadas cada uma por um capitel jónico (ver fotografias dos pormenores). Sobre estes corre um travejamento circular de cerca de 3 metros rematado por uma cornija do tipo balaustrada, donde nasce uma cúpula (já quase totalmente destruída) feita em material cerâmico aparelhado (pareceu-me a mim) com saibro a qual tinha a função de protecção dos seus ocupantes. O seu pavimento em lajeado de granito apresenta no centro uma cavidade onde, segundo alguns autores, estaria implantada a base da imagem de São Gonçalo.

Ao lado do local onde hoje podemos encontrar este monumento de arquitectura religiosa (onde actualmente se ergue uma construção tradicional em pedra construida sobre as fundações originais) existiu outrora uma ermida com a mesma invocação, fundada cerca de 1571. Em 1720, devido ao seu grau de avançada ruína, apenas existia a capela-mor onde se recolhia o gado.

A construção deste monóptero foi comparticipada pela população local e tinha como finalidade albergar a imagem de São Gonçalo. Portanto destinava-se a "assinalar um lugar santo, tal como a cruz assinalava as cabeceiras das igrejas paroquiais abandonadas".

A divulgação desta situação é imperiosa devido ao estado de ruína em que se encontra este monumento. Se alguém souber mais alguma informação sobre esta construção entre em contacto com este blog ou através do meu endereço electrónico.

Artur Mesquita

08/04/2009

Cântico Negro

A primeira vez que li este poema devia ter 15 anos. Deixei que estas palavras me tivessem acompanhado desde então. E o livro já está velho e usado. Infelizmente, vivemos na época da tipificação e da standartização. Do pensamento e da vontade inexistentes. Da falácia e da inverdade. Do que parece e nunca é!
"Eu tenho a minha loucura!...
Levanto-a como um facho a arder na noite escura!"
Nunca José Régio teve tanta verdade...
Um refrescante banho de palavras...


"Vem por aqui" - dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "Vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...

A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre a minha mãe

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...

Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "Vem por aqui?"

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre nas vossas veias sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tectos,
E tendes regras e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha loucura!
Levanto-a como um facho a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

Deus e o Diabo é que me guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe,
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "Vem por aqui!"
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...

Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!

31/03/2009

A nova legislação europeia sobre o sector vinícola delineada pela comissária da agricultura Marianne Fischer-Boel, a ser ractificada no próximo dia 27 de Abril pela Comissão Europeia, está a causar polémica em alguns países. Nada que me espante! Nos países com longa tradição neste sector, nos quais Portugal se inclui , a prática de misturar vinho branco com vinho tinto para se obter um vinho rosé há muito que é proibida. Como sabem, o tradicional rosé é feito com uvas tintas que, ao serem maceradas, permanecem em contacto com as películas da uva (a pele) só o tempo suficiente para fornecer ao vinho a coloração rosada e a complexidade suficiente que é determinada pelo enólogo.

Michel Barnier, ministro francês da agricultura, já veio afirmar que mesmo no caso da ractificação da nova legislação, "a França proibirá a comercialização de vinho rosé produzido pela mistura de vinhos branco e tinto, por respeito à qualidade, às tradições vinícolas e ao consumidor". O que ele não diz é que tem os produtores franceses à perna por causa desta nova directiva e que a França é somente, o maior produtor mundial de vinho rosé.

Já há uns dias eu escrevi aqui o absurdo desta situação num mercado onde o vinho tem relevante importância nos países produtores do sul da Europa, quer em termos financeiros, quer em termos de tradição. Vamos então tentar deixar os "bairrismos" de parte e desmistificar esta situação!

A legislação de alguns países permite práticas que nós podemos, à partida, considerar absurdas. Um exemplo flagrante é o caso de alguns países do norte da Europa, como a Alemanha, permitirem legalmente a "chaptalização" dos vinhos brancos, que mais não é do que a adição de açúcar ao vinho na fase de fermentação. Não existindo horas suficientes de sol que permitam o amadurecimento das uvas na videira, adiciona-se açúcar ao mosto na fermentação para se conseguir um vinho com um maior grau alcoólico. Assim, a prática é introduzir artificialmente esse açúcar para prolongar a fermentação e aumentar o grau alcoólico do vinho.

Outro exemplo é o caso actual do vinho rosé misturado, acto legalmente admissível em alguns países do novo mundo. Simplisticamente, o mercado fornece ao consumidor o que é mais vantajoso renegando a qualidade do produto final para segundo plano. É a liberalização selvagem do mercado! Vejamos o que a "fabricação" de um rosé pela mistura de vinho branco com vinho tinto pode permitir:
  • Mascarar a qualidade - mesmo que um dos vinhos seja de qualidade inferior o outro pode-se sobrepor anulando os defeitos do primeiro;
  • Iludir o consumidor relativamente à qualidade final do vinho;
  • "Fabricar" vinho rosé em qualquer altura do ano, independentemente das estações e do clima;
  • Aumentar substancialmente o lucro dos produtores - quanto a mim é esta a razão principal!

Com a qualidade que os nossos vinhos possuem precisaremos de vinhos feitos desta forma?

Finalmente, eu gostaria de ver o nosso ministro da agricultura ao lado do francês. Apesar dos vinhos rosés não ocuparem um lugar de destaque no nosso consumo, é um problema que também nos toca a nós, directa e indirectamente!

Agora que a Primavera começa a aparecer, aproveitem para apreciar um bom rosé português, a acompanhar um prato de carnes brancas e magras grelhadas no carvão ou, somente, com uns morangos sumarentos e bem maduros!...

Artur Mesquita

27/03/2009

O vinho e os restaurantes

Este é um tema recorrente que me surgiu quando navegava há uns dias nas páginas da Revista de Vinhos. Ao ler um artigo da autoria do João Paulo Martins e do João Afonso sobre vinhos de qualidade acima da média (alguns de excelente qualidade) com um preço máximo de 10€, assaltava-me a ideia que se pode resumir rapidamente nestas palavras: não tenho visto estes preços nos restaurantes onde tenho ido.

Esta discussão é velha e já a tive bastantes vezes. Para o consumidor normal, os empresários de restauração do nosso país medem-se pela ganância do preço dos vinhos à mesa. Como tão bem vocês sabem, é muito fácil vermos uma carta de vinhos num restaurante com preços 50, 100, 200% ou mais..., acima do valor normalmente apresentado numa loja de vinhos (já não falo nas grandes superfícies!).

Logicamente, todos têm a sua margem de lucro na venda de uma garrafa de vinho. A diferença é que enquanto os segundos se limitam a ter 15 ou 20% de lucro (o que, dependendo do preço da garrafa pode representar já um aumento substancial), os primeiros metem indiscriminadamente a mão no bolso do consumidor. Noutro dia reparei que uma garrafa de Esteva (vinho de qualidade abaixo da média) estava marcada na carta de vinhos de um restaurante com uns módicos 9,5€ enquanto cá fora se pode comprar seguramente por um preço 4,5€ - 5€. Isto pressupõe um aumento de 190% relativamente ao preço habitual. A este lucro acresce ainda a fatia que essa loja também tem na sua venda. Ou seja, o lucro deste especulador anda na casa dos 250%, no mínimo. Quantos produtos conhecem como uma margem de lucro ao retalhista desta ordem?

Já existem restaurantes (poucos, infelizmente) de qualidade satisfatória nos quais os preços de venda de vinho à mesa em pouco supera os valores normalmente praticados cá fora. Outros onde servem vinho a copo de boa qualidade e em perfeitas condições. E outros ainda que tentam captar clientes não através da sua gastronomia mas sim pela excelência da sua carta de vinhos e pelos preços praticados.
Desenvolveu-se um mercado especulador paralelo de venda de vinho onde a comparação que o consumidor tem é feita com base nos valores encontrados em todos os comércios, menos nos restaurantes. E não me venham com a treta de estarmos a pagar o serviço do restaurante porque na maioria dos casos aquilo a que assistimos nem poderá ser chamado de "serviço"! Vinhos mal servidos, sem nenhum aconselhamento ao cliente, deficientemente guardados (conheço um restaurante que tem garrafas de Barca Velha colocadas em cima um expositor, ao alto e sujeitas a grandes variações diarias de temperatura - deve ser para mostrar ao cliente que tem no seu stock estas preciosidades!...)... Nem sequer possuem copos em condições para servir o vinho - não seria pela despesa na compra de copos minimamente aceitáveis que o restaurante iria à falência.

Os empresários ainda não vislumbraram que o grau de exigência dos clientes aumentou nos últimos anos. Depois, se o cliente reclama olham para ele como se o grau de exigência fosse excessivamente elevado, como se a razão não lhe assitisse. Esquecem-se que quem tem uma casa destas aberta ao público só sobrevive se tiver clientes. E isso só acontece se uma conjugação de factores se proporcionarem - qualidade da cozinha, qualidade no serviço ao cliente, instalações minimamnete aceitáveis (não necessariamente por esta ordem).

Ao ler aquele artigo pensei que os produtores de vinho estavam a tentar racionalmente combater a crise, tentando fidelizar os clientes aos seus produtos. Mas também pensei no "chicoespertismo" de alguns empresários de restauração que depois de verem os vinhos que foram provados não deixarão de aproveitar a oportunidade para aumentar os seus preços.

Depois não se queixem!

Artur Mesquita

Constantino, guardador de vacas e de sonhos!



"Terroir" é uma palavra francesa, criada no séc. XIX e "exportada" para todo o mundo, que representa um número, mais ou menos complexo, de factores que influenciam a biologia da videira, e logo, a qualidade da uva e do vinho. Nesses factores incluem-se o clima/microclima, o solo, a topografia, a drenagem dos terrenos, a condução da vinha, etc...

Há quem defenda que um "terroir" consegue transferir para o vinho um gosto único e próprio, mais ou menos identificativo do vinho de uma determinada região (não se esqueçam do que eu escrevi no início: é um conceito francês!).

Ora, como eu sou um homem de ciência e após muita leitura e pesquisa, conclui que é totalmente impossível provar tal ideia, a não ser que façamos como faz a religião... criamos mais um dogma. Acredito que existam muitas mentes contra mim nesta altura, mas o facto indesmentível é que cientificamente não existe qualquer prova que relacione, por exemplo, a composição mineral de um solo com o aroma e o gosto de um determinado vinho produzido nesse solo... e ponto final!

E tudo isto, perguntam vocês, para quê?

Pois, bem. Os franceses sempre foram bons a vender produtos e conceitos (queijos, vinhos, gastronomia, alta costura, perfumes). Sempre foram fieis aos seus "terroirs" de tal modo que os seus vinhos foram considerados como impossíveis de produzir noutras paragens que não aquelas que se encontram dentro do país. O "champagne" é fruto dessa filosofia mercantilista (não confundir o "terroir" com a protecção comercial de uma denominação!). As vinhas da região de Champagne, no nordeste de França, estavam bem delimitadas num território conhecido por ser único no seu "terroir" para a produção deste vinho (essa é a razão pela qual nós chamamos vinho espumante ao «champanhe» produzido no nosso país). Eu escrevi "estavam" porque deixaram de estar!

Como o consumo mundial de "champagne" tem aumentado significativamente e a produção francesa é limitada (como é limitado o terreno da região original), então, à boa maneira francesa, para não se perderem uns biliões de euros, só havia uma solução: aumentar a área passível de produzir "champagne" aumentando a área de denominação da região de Champagne. Claro, lá foi por água abaixo a questão do "terroir"! Agora não dá mesmo jeito nenhum justificar com o dito cujo uma vez que são os valores financeiros que mais alto se levantam.

Não se apoquentem que o vinho em causa continua a ser do melhor que se pode apreciar.

Posto isto, eu só gostava de saber em que é que ficamos? Não tenho lido nada sobre este assunto nas publicações mais ou menos especializadas. Será que os críticos adormeceram todos de repente? Ou agora também não dá jeito nenhum trazer este assunto, que já tem uns bons meses, à discussão?

Depois de espicaçadas as consciências, espero que consumam mais do vinho espumante produzido no nosso país, tanto na Bairrada como em Távora-Varosa (que me perdoem as outras regiões mas, quando eu encontrar um vinho espumante com a delicadeza, a finesse, a frescura e a complexidade à altura, eu digo!). É uma bebida extraordinária para ser consumida sozinha ou mesmo para acompanhar alguns pratos.

Por último: já tiveram a oportunidade de visitar as Caves da Murganheira, perto de Tarouca? Pois não sabem o que perdem! São escavadas em granito azul onde repousam as garrafas do vinho espumante mais fantástico de Portugal!

E já agora, levem um livro do Miguel Torga debaixo do braço! Sintam-se tentados!...

À vossa! Tchim... tchim...

Artur Mesquita

26/03/2009

A paixão segundo Zezito, sobrinho do senhor Júlio Monteiro

O sofrimento, meus caros amigos, é o verdadeiro significado da palavra paixão. Vem da palavra latina passione que indicava uma agonia intensa e prolongada. Munido eu deste conhecimento etimológico de paixão, que me ocorreu? Pois bem, ocorreu-me falar da pessoa que nos últimos tempos tem sofrido uma agonia intensa e prolongada: o Zezito, sobrinho do senhor Júlio Monteiro, suspeito de ter recebido luvas num negócio cujo nome não me ocorre de momento.

Este Zezito, tal como Cristo, sofreu ao longo dos últimos tempos um autêntico Calvário. Não, que possa ser comparado com Nosso Senhor (até porque Este último nem tinha um curso de Engenharia nem nada), mas porque percorre também as Estações de uma Via Sacra cheia de escolhos e traições. Claro que nem foi condenado à morte (mesmo política), nem sequer obrigado a carregar uma cruz, embora em tempos já tenha alombado com o professor Freitas do Amaral no governo. Mas, tal como Cristo nas terceiras e quartas estações da Via Crucis, também ele já escorregou uma vez (no caso da licenciatura) e também encontrou sua mãe (cujo nome foi envolvido sabe-se lá porquê). E se Simão Cirineu não apareceu para ajudá-lo, como surgiu ao Senhor na V Estação, teve a interceder por ele o ministro Pedro Silva Pereira, na SIC, durante meia-hora. Como podemos também registar que a sua Santa Verónica (a mulher que limpou o rosto de Jesus) acaba por ser a Jornalista Fernanda Câncio que lhe limpa o nome nas crónicas.

Acresce que o Senhor cai pela segunda vez na VII Estação, e o Zezito cai pela segunda vez na questão das casas de Valhelhas e arredores da Guarda. Um pouco depois, se um encontra as mulheres de Jerusalém, o outro encontra as mulheres do PS. E dá-se então, a terceira queda: no caso do Zezito foi a trapalhada do Freeport (agora me recordo subitamente do nome da coisa).
Daqui para a frente não sei o que acontece ao sobrinho do senhor Júlio Monteiro, mas posso relatar o que aconteceu ao Jesus da Galileia: foi despojado das vestes (X Estação), é pregado na cruz (XII), está nos braços de sua mãe (XIII) e é enterrado (XIV).

Pois bem, o Zezito não deve ficar nu na praça pública e menos ainda ser pregado numa cruz, morto e enterrado. Mas não deixa de ser curioso que a maioria de vós não tenha achado que esta comparação faça o mínimo sentido.

Porém, ela faz e de que maneira!

Porquê? Perguntais vós, céleres na condenação de um homem que se vê arrostar com uma cruz ladeira acima, rumo ao Gólgota, ao passo que uma multidão o invectiva, lhe chama nomes e se ri com escárnio da sua desgraça.

Qual a semelhança que não descortinais, gente ímpia e sem misericórdia?

Que liga Nosso Senhor Jesus Cristo ao nosso Zezito, sobrinho do senhor Júlio Monteiro? Que parte essencial da história partilham eles?

É que ambos são inocentes!
Se nunca pusestes esta hipótese é porque não sois verdadeiros cristãos dignos desse nome.

E isso deve preocupar o Zezito...

Comendador Marques de Correia

Relação dos objectos à venda por motivos de atestada recessão!

Há, meus amigos, muita coisa que não faz falta e que nós - seja por ganância, seja por inércia - teimamos em manter. Sótãos, arrecadações, despensas, garagens, armazéns e ministérios diversos estão atulhados de inutilidades, algumas por estrear, outras já em mau estado, mas todas partilhando essa característica desagradável que têm as coisas que um dia nos impingiram, apesar de, na realidade não necessitarmos delas para absolutamente nada.

Mão amiga, fez-me chegar uma lista não exaustiva desse tipo de coisas que poderíamos - numa espécie de garden sales - pôr à venda por desprezarmos, não ligarmos ou não nos terem préstimo. Ficando, ao menos, a esperança de que algum passante lhes encontre utlilidade e lhes dê destino, ainda que a baixo preço.

Naturalmente, não me cabe a mim - velho, relho e quase acabado observador da coisa pública - valorar a lista. Deixo, pois esse trabalho ao cuidado de cada um.

E posto que a introdução já vai longa, eis a lista:
  • 10 ilhas no Atlântico em bom estado (salvo a terceira que dá uns dinheiros que vêm da Base das Lajes);

  • Uma impressionante colecção de gravuras paleolíticas, património da Unesco, na Foz do Côa;

  • Um porto de águas profundíssimas e um complexo industrial de gabarito na vila de Sines;

  • Uma paisagem protegida na Costa Vicentina;

  • O doutoramento do Doutor Francisco Louçã;

  • Um ministro da agricultura quase sem uso e com um Proder de muitos milhões ainda por distribuir;

  • Um estudo para um aeroporto na Ota;

  • 500 mil apoiantes do deputado Manuel Alegre;

  • 1000 km de auto-estrada excedentes e uma linha de TGV para o Porto e outra, ainda, para Madrid;

  • Uma líder da oposição, um pouco usada, mas ainda com muito préstimo na área das Finanças;

  • Um conjunto de reformas da CGD que dá para alimentar todas as famílias dos eleitores do Distrito de Beja;

  • Uma colecção (Berardo) de arte moderna que vai valer imenso, mas lá para o ano 2018;

  • A má-disposição do Dr. Luis Filipe Menezes;

  • Um treinador do Benfica que vai aprender alemão e um treinador da selecção que ainda não aprendeu nada;

  • O recheio das casas de três ou quatro banqueiros em dificuldades;

  • Um programa de Governo, um congresso do PS e umas bizarras bandeiras vermelhas com um punho;

  • O canal Benfica;

  • As promessas de recuperação económica;

  • Todos os livros, todos os discos e todas as obras de arte que o Dr. Santana Lopes foi apreciando ao longo da sua vida fecunda;

  • O próprio Dr. Santana Lopes;

  • Um conjunto de desmentidos da Presidência da República;

  • Os óculos do Dr. Victor Constâncio;

  • O curriculum académico (e a hagiografia completa) do Engº Sócrates;

  • Um conjunto de jovens da direcção do CDS/PP;

  • O sistema eleitoral;

  • O Dr. Santana Lopes (penso que há aqui, talvez não inadvertidamente, uma repetição).

E pronto. São estas as coisas que Portugal pode vender sem se tornar mais pobre e com certa possibilidade de arrecadar umas massas, assim arranje uns incautos.

Comendador Marques de Correia

23/03/2009

Orxestra Pitagórica - Um cateto de tinto

Orxestra Pitagórica - nome seriamente estranho para quem gosta de brincar com coisas sérias. O que é a Orxestra Pitagórica?

É um grupo musical pertencente à Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra que utiliza o humor como arma crítica sarcástica à condição humana. Nada escapa ao olhar atento e crítico desta Orxestra. Composta exclusivamente por estudantes universitários de Coimbra, cria letras sobre músicas de canções de grande sucesso, nacionais ou estrangeiras. O seu repertório inclui uma vastidão de temas musicais, desde a vertente mais clássica e erudita (óperas, sinfonias...) à música popular portuguesa, passando pelo rock, pela música ligeira e até pela música de elevador e de WC!

A Orxestra Pitagórica é uma miscelânea de criatividades fora do normal, incrivelmente bem conseguidas através de métodos de ensaio experimentais estudados e concebidos em laboratório (in vitro), onde se podem sentir as ligações ao mais sagrado que existe no universo académico coimbrão - a praxe académica e o caloiro. Figura central de uma sociedade académica, o caloiro coimbrão consegue reunir em si as características que a mãe natureza se permitiu criar e cruzar, do asno ao adolescente borbulhado acabado de chegar à cidade. Logo ultrapassada esta fase embrionária, a conjugação das caracterísiticas e dos conhecimentos adquiridos no curso superior e na Pitagórica possibilitará ao caloiro e futuro doutor a ascensão às mais altas e esferas e cargos do país.

A Orxestra desenvolve a sua existência assente em três pilares de excelência:


  • O nível superior da formação musical dos seus executantes - bem patente nas suas composições de uma apurada e complexa execução técnica, fruto de ensaios prolongados onde as repetições até à exaustão se efectuam, normalmente, depois das 02h00 da manhã;


  • O nível da sua criatividade poética - é depois das 02h00 da manhã que a criatividade é mais evidente (aliás, como é normal nos grandes vultos das letras do nosso século), onde se alcançam elevados patamares de uma "performance" criativa necessária às composições de grande complexidade com que brindam o seu público;


  • Uma consciência apurada de solidariedade para com os outros - os membros da Orxestra são cidadãos conscientes da importância social deste organismo. Através de um esforço conjunto e de um espirito de equipa invejável, promovem e fomentam junto a terceiros a preferência dos artigos nacionais, através do consumo de dois terços da produção nacional de cerveja e de vinho. Esse consumo sustentado permite o combate ao desemprego, e logo, a manutenção de muitos postos de trabalho directa e indirectamente ligados à produção da cerveja e dos vinhos nacionais. O escoamento no mercado nacional de cerveja e vinho permite às empresas concentrarem-se exclusivamente na captação de novos mercados a nível internacional e gerar riqueza para o nosso país.

Os instrumentos musicais da Orxestra dividem-se essencialmente em dois grupos:

  • Os Sérios - constituidos pelos instrumentos mais tradicionais, de execução relativamente simples onde pontuam guitarras, bandolins, cavaquinhos, percurssões, etc...


  • Os Seríssimos - instrumentos de elevada precisão musical aliada a uma apurada técnica de execução, só ao alcance de alguns após muita horas de ensaio. Bioelectrico-cha-cha-cha, adegafone, autoclismos e sinais de trânsito, são exemplos da diversidade e da riqueza dos sons deste agrupamento. Os Seríssimos são propositadamente calibrados e afinados por técnicos especializados, imediatamente antes da entrada em palco, de forma a manterem a mais rigorosa afinação musical com a qual se caracteriza a qualidade musical da Pitagórica (ver fotografias neste blog).
A necessidade de anonimato em palco surgiu como um factor de independência para conseguirem efectuar críticas incisivas às personalidades e instituições visadas nos seus textos. Este anonimato foi desenvolvido no período anterior a 1974 como consequência da perseguição política da polícia de estado de então. As suas vestes foram desenvolvidas por um estilista francês anónimo (por motivos óbvios...) de afirmada reputação mundial, que conseguiu conjugar o "naife" ao mais elaborado da alta costura internacional da época. Para os caloiros foi concebida um cueiro/fralda de cor branca, com motivos helénicos e uns apêndices a colocar na testa baseados em motivos campestres do interior de Portugal. Para os doutores, utilizou os motivos dos trajes académicos da época com algumas modificações que permitiram manter a sua posição dominante face ao caloiro: sapato e meia preta, ceroulas "demodé" brancas, batina académica vestida do avesso, uma aplicação branca (do tipo turbante árabe) fixada à cabeça pela gravata preta, por vezes com uns imprescindíveis óculos escuros. Esta conjugação, de recorte finíssimo para a época, ainda hoje se mantém inalterada sendo um dos símbolos mais identificadores da Orxestra Pitagórica pelos seus fans.

As actuações da Orxestra Pitagórica são pujantes de energia, criativas e inovadoras, cúmplices com o público que adere rapidamente, onde se comprova o espírito criativo a fluir através da dualidade poética cerveja/vinho.

Ser Pitagórico é um estado de alma!
É um olhar priveligiado sobre a sociedade!
Ser Pitagórico é um estado que nos acompanha vida fora!

Ninguém consegue ficar indiferente à Orxestra Pitagórica!...
Viva a Maria da Fonte!!!

"E a mulher tem dois buracos!
E eu tapum, tapum, tapum!"

Alfredo Mercúrio

19/03/2009

ASSIM, SIM!

As negociações intermitentes duravam há 20 anos. Finalmente, a União Europeia e os Estados Unidos chegaram a uma solução consensual no intercâmbio comercial do sector dos vinhos que permitirá salvaguardar as várias denominações existentes no espaço europeu. O primeiro passo foi dado no ano passado com a denúncia unilateral pela UE do protocolo alcançado em 2005, o qual autorizava os EUA a usar as classificações denominativas dos vinhos europeus com origem neste país. Incluiam-se as denominações "chateau", "classic", "clos", "cream", "crusted/crusting", "fine", "late bottled vintage", "noble", "ruby", "superior", "sur lies", "tawny", "vintage character" e "vintage".

Este acordo foi alcançado, numa primeira fase, durante o último mês de Setembro, com o comprometimento da administração norte americana a apresentar uma proposta ao Congresso para que as denominações dos vinhos da UE, como Borgonha, Champanhe, Tokay, Chablis, Porto, Madeira, Jerez, Chianti, e outros, deixassem de ser consideradas como nomes passíveis de utilização neste país, como sucede actualmente, e se limitassem ao país de origem.

O acordo abrange ainda os novos requisitos de certificação implementados nos EUA e as regras existentes na UE sobre a rotulagem dos vinhos. Na área jurídica, as duas partes comprometeram-se a resolver qualquer futuro problema relacionado com o comércio de vinho através de consultas bilaterais informais em vez da utilização dos mecanismos de resolução de conflitos.

Além do valor que o mercado norte-americano tem para a UE, cerca de 2.000 milhões de euros (dados do ano de 2004), este consenso permite eliminar incertezas jurídicas que persitiam no comércio de vinho, além da importância inerente à protecção das próprias denominações em si.

Salvaguardando as existências nos armazéns europeus dos vinhos importados dos EUA, desde o passado dia 10 de Março que os EUA não podem exportar qualquer vinho com estas denominações para a UE.

Artur Mesquita

ASSIM, NÃO!

A União Europeia prepara-se para permitir a mistura de vinhos brancos com vinhos tintos na elaboração dos vinhos de mesa, em concreto vinhos rosados, possibilidade até agora proibida nos países comunitários. No entanto, irá ser permitido aos estados membros a opção de restringir esta prática aos vinhos com denominação de origem ou com origem geográfica protegida (DOC e VQPRD). Esta medida insere-se numa nova regulamentação comunitária sobre práticas enológicas que possibilitará também, entre outras, a adição de componentes como o PVI ou o PVP para redução dos teores de cobre, ferro e metais pesados, a adição de goma celulósica, a desalcoolização dos vinhos e a opção de estabilização por acção química (tratamento por catiões). Estes métodos, permitidos pela Organização Internacional do Vinho, já são prática frequente nos países do Novo Mundo produtores de vinho (Austrália, África do Sul, Argentina, Nova Zelândia...).

Num acordo firmado recentemente com a Austrália sobre a protecção das denominações dos vinhos europeus, em consonância com o alcançado com os EUA, a UE permitiu a importação para o espaço europeu de vinhos australianos com um teor de álcool inferior a 8% do volume (a actual regulamentação comunitária define que a comercialização de um produto sob a denominação "vinho" só seja possível com um grau alcoólico igual ou superior a 8%). A desalcoolização dos vinhos é processada através do método de osmose inversa.

Em França, a Associação de Produtores de Vinho já classificou a mistura do vinho branco com o vinho tinto como uma "aberração" uma vez que irá criar "confusão ao consumidor sobre a distinção entre um vinho rosé tradicional e outro branco no qual foram adicionadas umas gotas de tinto".

Claro, digo eu, que o bebam eles!!!

O facto é que esta nova regulamentação já foi analisada e aceite pelos peritos da UE e remetida para a Organização Mundial de Comércio. Passada esta fase, deverá ser ratificada pela União Europeia.

Pela minha parte, irei manter-me fiel à tradição:

B T M

ou seja,

Branco e Tinto só do Melhor

(... e sem misturas!)

Artur Mesquita

16/03/2009

Galileu Galilei

A comemoração do Ano Internacional da Astronomia durante este ano, em Portugal a cargo da Sociedade Portuguesa de Astronomia, veio recordar e sensibilizar as pessoas para o impacto que essas observações tiveram para a ciência e, mais concretamente, para as nossas vidas. Também durante 2009, assinalam-se os 400 anos das primeiras observações astronómicas de Galileu Galilei, homem com uma dedicação extrema a tudo o que acreditava!

Galileu era uma pessoa que acreditava na matemática como um instrumento superior à própria lógica. A sua permanente curiosidade científica era apoiada essencialmente em métodos experimentais limitados a regras matemáticas pré-concebidas. Estávamos em 15 de Fevereiro de 1564, na cidade de Pisa, data do seu nascimento. Sem o conhecimento que hoje possuimos, não deixa de ser extraordinário os conceitos que utilizava na condução das suas experiências científicas...

Da sua vida, destacam-se dois importantes momentos em termos científicos. Em 1632, ou seja, com a idade de 68 anos (!!!), publica "O Diálogo sobre os Dois Sistemas do Mundo" para no ano seguinte ser obrigado pela Igreja Católica (facilmente podemos imaginar o poder que a Igreja tinha sobre as pessoas...) a abjurar as suas convicções, condenando-o à prisão. A publicação de qualquer trabalho seu tornou-se proibida pelo Index. E em 1638, com a idade de 74 anos (!!!), publica o seu último livro intitulado "Discurso das Duas Novas Ciências, Mecânica e Dinâmica" cuja cópia manuscrita tinha sido contrabandeada para França.

Algumas invenções
  • termoscópio, o microscópio, o telescópio, o relógio de pêndulo, a balança hidrostática...
Contribuições específicas para as várias ciências
  • Harvey usou o princípio de medida de pulsação através de pêndulo para calcular a capacidade de bombagem do coração - 234kg de sangue/hora;
  • Fez inúmeras contribuições para a compreensão das leis que regulam o movimento dos objectos - aceleração da gravidade;
  • O conceito de inércia quando definiu que "Na ausência de uma força, um objecto continua a mover-se com movimento rectilíneo e com velocidade constante"...

Morreria em 1642 para alguns meses mais tarde nascer Isaac Newton que se encarregaria de desenvolver as suas leis do movimento acabando de vez com as ideias de Aristóteles que tinham dominado as mentes durante quase 2000 anos.

Galileu apoiou a teoria de Copérnico de um universo heliocêntrico, de uma Terra móvel à volta do Sol - "Eppur si muove" - conceito que provou experimentalmente. Não conseguiu evitar as acusações de heresia movidas pela Inquisição. Somente em 1982, por intermédio do Papa João Paulo II, a igreja se iria redimir deste erro. Será que sim? Quantos Galileus ainda existem ou existiram sem que a "remissão dos seus pecados fosse permitida pela Igreja Católica"?

Artur Mesquita

Vinho e Saúde I

A equipa de David Teplow, investigador na UCLA-University of California Los Angeles, descobriu o papel dos vários polifenóis que integram o vinho na luta contra as doenças cardíacas e contra a doença de Alzheimer. Anteriormente, já alguns investigadores europeus tinham adiantado algumas descobertas nesta área, mas Teplow avançou mais um pouco nas explicações científicas. Diz a reportagem do El Mundo que "os investigadores da UCLA descobriram o motivo pelo qual quem bebe vinhos tintos costuma estar a salvo das doenças do coração e, noutra vertente mas ao mesmo tempo, conseguiram identificar uma substância natural que pode anular parcialmente os efeitos da doença de Alzheimer".

Teplow e a sua equipa verificaram e estudaram a forma como os polifenóis do vinho bloqueiam a formação de proteínas que formam a placa tóxica no circuito sanguíneo. Há já muito tempo que se especula que esta placa obstruiria as artérias originando a doença de Alzheimer. Esta importante investigação publicada recentemente numa edição do Journal of Biological Chemistry, recorreu a ratos em laboratório para explicar a mecânica da acção anti-placa dos diferentes polifenóis. Os cientistas injectaram polifenóis destilados de bagos de uva nestes animais e observaram que não só tinham impedido a formação das proteínas danosas, mas também, tinham conseguido reduzir a sua toxicidade. Puderam verificar como dois tipos de proteínas que se encontram no sangue humano podem causar cardiopatias ou a doença de Alzheimer. Esta descoberta está pronta a ser testada em seres humanos, podendo converter-se no primeiro tratamento que consegue atrasar significativamente o desenvolvimento da doença de Alzheimer.

Fonte:RV/El Mundo

Vinho e Saúde II

Um grupo de cientistas que trabalhou em colaboração com cerca de um terço das universidades europeias descobriu que o consumo responsável de álcool, especialmente de vinho, tem relação directa com níveis mais altos de ácidos gordos omega-3 no sangue. Quem o afirma por escrito é Jacob Gaffney, da revista Wine Spectator, baseando-se num novo estudo a publicar no American Journal of Clinical Nutrition. Mais de 1600 europeus foram analisados durante mais de um ano com medições periódicas dos níveis de omega-3 no sangue. No final do estudo, os cientistas chegaram à conclusão de que os consumidores moderados de vinho foram os que apresentaram melhores níveis de omega-3, se comparados com os abstémios ou com os consumidores mais abusadores. De todo o grupo, "os níveis mais saudáveis foram encontrados nas mulheres que bebiam até um copo de vinho por dia e nos homens que bebiam dois ou mesmo três copos", disse Romina di Giuseppe, epidemiologista biomédico da Universidade Católica de Campobasso, que liderou o estudo. Estudos anteriores já tinham demonstrado que a combinação de altos níveis de omega-3, muito frequentes em peixes gordos como o salmão e o atum, e o consumo moderado de vinho, está relacionado com corações mais saudáveis.


Na mesma revista pode ainda ler-se que o composto do vinho tinto que dá pelo nome de Resveratrol foi capaz de reduzir a quantidade de gordura produzida nos fígados de ratos, que tinham sido alimentados em laboratório com uma perigosa dieta de álcool. A acumulação de gordura no fígado era, até então, uma condição crónica regularmente associada ao alcoolismo. A pesquisa parece ter demonstrado que o Resveratrol aumenta o ritmo a que é eliminada a gordura do fígado. A explicação mais provável para este efeito é a de que este composto consegue controlar as enzimas que regulam o metabolismo da gordura nos ratos. Dado que as doses de Resveratrol administradas implicariam o consumo de várias garrafas de vinho por dia, os cientistas não aconselham, por motivos óbvios, que as pessoas, especialmente os alcoólicos, a beber para resolver problemas de saúde com o fígado.

Fonte: RV/WineSpectator

02/03/2009

Tarde em Itapoã




Poema de Vinicius de Moraes



Um velho calção de banho
O dia p'rá vadiar
Um mar que não tem tamanho
Um arco-iris no ar
Depois na praça Caymi
Sentir preguiça no corpo
E numa esteira de vime
Beber uma água de côco
É bom...
Passar uma tarde em Itapoã
Ao sol que arde em Itapoã
Ouvir o mar de Itapoã
Falar de amor em Itapoã
Enquanto o mar inaugura
Um verde novinho em folha
Argumentar com doçura
Com uma cachaça de rolha
E com o olhar esquecido
No encontro de céu e mar
Bem devagar ir sentindo
A terra toda a rodar
É bom...
Passar uma tarde em Itapoã
Ao sol que arde em Itapoã
Ouvir o mar de Itapoã
Falar de amor em Itapoã
Depois sentir o arrepio
Do vento que a noite traz
E o diz-que-diz macio
Que brota dos coqueirais
E nos espaços serenos
Sem ontem nem amanhã
Dormir nos braços serenos
Da lua de Itapoã

A reconquista cristã do casamento

O que não falta na Figueira da Foz são donzelas cristãs que, após uma tarde de apostas na roleta, desejam unir-se em casamento com um seguidor do islamismo.


Mais de um milénio depois, os mouros estão de volta a Portugal e desta vez querem casar connosco. Em 711 vieram para lutar; agora vêm para contrair matrimónio o que, pensando bem, é quase a mesma coisa, se não for mais sangrento. Por sorte, os cruzados continuam da atalaia e, depois de terem rechaçado a invasão da Península Ibérica, parecem prontos a impedir esta nova e igualmente perniciosa invasão das conservatórias.

Pessoalmente, confesso que não dei por nada. Só sei que os mouros voltaram porque, no espaço de pouco mais de um mês, dois cardeais foram ao casino da Figueira precatar as moças católicas contra os perigos do casamento com muçulmanos. Eu não conheço uma única senhora que pretenda desposar um muçulmano, nem imagino a razão pela qual os mouros, aparentemente, preferem noivas católicas frequentadoras de casinos. Mas a verdade é que, tendo em conta a frequência dos avisos e o local em que eles são emitidos, o que não falta na Figueira da Foz são donzelas cristãs que, após uma tarde de apostas na roleta, desejam unir-se em casamento com um seguidor do islamismo.

Vivemos tempos estranhos.

A única senhora com a qual travei conhecimento que casou com um mouro chamava-se Desdémona, e realmente viria a ser assassinada pelo marido, mas não é menos verdade que o principal responsável pela sua morte foi um cristão especialmente pérfido. Suponho que aconselhar as raparigas a evitarem os casamento com mouros que tenham subordinados cristãos particularmente malévolos seja menos eficaz, e até menos prático, mas de acordo com a minha experiência pessoal é, de facto, o mais apropriado.

Não quero com isto dizer que desconsiderei as recomendações dos cardeais.

Pelo contrário, tomei-as a sério: nunca ninguém me há-de ver casado com um muçulmano. Até porque conheço bem o perigo que corremos quando nos relacionamos com pessoas que interpretam literalmente os textos sagrados, como fazem muitos muçulmanos e o cardeal Saraiva Martins. Mas, em Dezembro de 2007, D. José Policarpo disse que o maior drama da humanidade era o ateísmo. Pouco mais de um ano depois, vem alertar as portuguesas para os malefícios do casamento com gente que acredita e muito em Deus, e esquece-se do perigo que representam os incréus. Não digo que, para impedir os casamentos entre católicos e ateus, volte a entrar num casino. Mas custa-me a compreender que não interrompa ao menos um jogo de poker para avisar as jovens católicas que pretendam casar-se com quem professa o maior drama da humanidade. A minha mulher deveria ter tido a oportunidade de saber o monte de sarilhos em que se ia meter. Estar casada com um palerma que não deseja matá-la por causa das suas convicções religiosas é um drama pelo qual nenhum ser humano deveria ser obrigado a passar.

in, Visão, Ricardo Araújo Pereira

27/02/2009

Crise de autoridade familiar leva ao aumento da violência nas escolas

Especialistas em educação defenderam que o aumento da violência nas escolas se deve, em parte, a uma crise de autoridade familiar, onde os pais renunciam a impor disciplina aos filhos, remetendo-se para os professores.

Vários especialistas internacionais reunidos na cidade espanhola de Valência debateram o assunto "Família e Escola: um espaço de convivência". Os participantes no encontro, dedicado a analisar a importância da família como agente educativo, consideram que é necessário evitar que todo o peso da autoridade sobre os menores recaia nas escolas, o que obriga a "um esforço conjunto da sociedade".

"As crianças não encontram em casa a figura de autoridade", um elemento fundamental para o seu crescimento, disse na conferência inaugural do congresso o filósofo Fernando Savater(*). "As famílias não são o que eram antes e hoje, o único meio com que muitas crianças contactam é a televisão, que está sempre em casa", sublinhou.

Para Savater, os pais continuam a "não querer assumir qualquer autoridade", preferindo que o pouco tempo que passam com os filhos "seja alegre" e sem conflitos, empurrando o papel de disciplinador quase exclusivamente para os professores. No entanto, e quando os professores tentam exercer esse papel disciplinador, "são os próprios pais e mães que não exerceram essa autoridade sobre os filhos que tentam exercê-la sobre os professores, confrontando-os", acusa.

"O abandono da sua responsabilidade retira aos pais a possibilidade de protestar e exigir depois. Quem não começa por tentar defender a harmonia no seu ambiente não tem razão para depois se ir queixar", sublinha. Há professores que são "vítimas nas mãos dos alunos". Savater acusa igualmente as famílias de pensarem que "ao pagar uma escola" deixa de ser necessário impor responsabilidades, alertando para a situação de muitos professores que estão "psicologicamente esgotados" e que se transformaram em "autênticas vítimas nas mãos dos alunos". "A liberdade" afirma, "exige uma componente de disciplina" que obriga a que os docentes não estejam desamparados e sem apoio, nomeadamente das famílias e da sociedade.

"A boa educação é cara, mas a má educação é muito mais cara", afirma, recomendando aos pais que transmitam aos seus filhos a importância da escola e a importância que é receber uma educação, "uma oportunidade e um previlégio". "Em algum momento das suas vidas, as crianças vão confrontar-se com a disciplina", frisa Fernando Savater.

Em conversa com os jornalistas, o filósofo explicou que é essencial perceber que as crianças não são hoje mais violentas ou mais indisciplinadas do que antes; o problema é que "têm menos respeito pela autoridade dos mais velhos". "Deixaram de ver os adultos como fontes de experiência e de ensinamento para os passarem a ver como uma fonte de incómodo. Isso leva-os à rebeldia", afirmou. Daí que, mais do que reformas dos códigos legislativos ou das normas em vigor, é essencial envolver toda a sociedade, admitindo Savater que "mais vale dar uma palmada no momento certo" do que permitir as situações que depois se criam. Como alternativa à palmada, o filósofo recomenda a supressão de privilégios e o alargamento dos deveres.

(*) Fernando Savater nasceu em 1947 na cidade espanhola de San Sebastián. Catedrático de ética pela Universidade Complutense de Madrid, é autor de uma vasta obra que abarca o ensaio, a narrativa e o teatro. Entre outros galardões, recebeu o Prémio Francisco Cerecedo da Associação de Jornalistas Europeus e o Prémio Sakharov de Direitos Humanos. Fernando Savater é um dos pensadores mais destacados em Espanha e tem vindo a ganhar grande popularidade no mundo.

Fonte: Agência Lusa (texto cedido por Helena Castelo)

18/02/2009

Vénus


À noite, o planeta Vénus é um dos astros mais brilhantes do nosso céu. Durante muito tempo pensou-se que Vénus era o planeta gémeo da Terra, mas hoje sabemos que as semelhanças apenas existem no tamanho e na quantidade de massa de ambos.

Vénus é o segundo planeta do sistema solar na ordem das distâncias ao Sol. A duração do ano de Vénus é menor do que a duração do seu dia. Enquanto um ano dura 224 dias terrestres (uma rotação completa à volta do Sol), um dia (uma rotação completa sobre o seu eixo) dura 243 dias terrestres realizando-se no sentido contrário ao dos outros planetas, ou seja, com o Sol a nascer a oeste.

No seu movimento aparente, Vénus oscila em torno do do Sol, para um e outro lado, nunca ultrapassando uma distância ângular superior a 48º. Por ser visível antes do nascer do Sol é vulgarmente apelidado de "Estrela da Manhã", "Estrela Dalva" ou "Estrela Pastor".

A atmosfera de Vénus é 92 vezes mais densa que a da Terra. Por essa razão, a pressão na sua superfície é equivalente a mergulhar a cerca de 1000 metros de profundidade no mar. A sua atmosfera, maioritariamente composta por dióxido de carbono, algumas moléculas de azoto, enxofre e pequenas quantidades de água, concentra os raios solares e cria um efeito estufa que origina temperaturas de 470ºC na sua superfície. A existência de alguma água na atmosfera permite a formação de ácidos, como o ácido clorídrico e o ácido sulfúrico, que formam núvens corrosivas em altura.

Às 15h00 de amanhã, Vénus é visível em todo o hemisfério norte da Terra no seu máximo brilho. Essa possibilidade estende-se até ao próximo dia 23. Devido ao seu afastamento do Sol, é possível ser visto com clareza a olho nú quatro horas antes do nascer do Sol ou quatro horas depois do seu ocaso, ou ainda, a qualquer hora do dia desde que o céu se apresente sem núvens. Basta conhecer a sua localização na hora da observação e certificar que não esteja visualmente muito próximo do Sol.


Artur Mesquita